TVP e Regressão

Quântica Health

TVP (terapia vidas- passadas) e Regressão

A TVP e Regressão são ambas terapias que visam o tratamento das causas em registos passados. Distinguem-se apenas pelo facto de nem sempre ser necessário aceder a registos de vidas-passadas, pois no contexto da vida actual é comum encontrar repetições do padrão ancestral, nomeadamente na infância,  daí se usar a denominação mais abrangente de Terapia Regressiva.

 

Partindo do princípio que o ser humano é constituído por uma consciência multidimensional, que as memórias deste estão, muitas vezes, contidas em camadas do inconsciente, constata-se que os traumas vivenciados num passado têm repercussões no presente, assim como a manutenção de crenças e conceitos obsoletos. Para aceder a essas “causas” o terapeuta apoia-se em técnicas de regressão de memória e/ou de visualização de cenários metafóricos que lhe permitem localizar o núcleo traumático e tratá-lo de forma a desactivar as suas consequências negativas no “aqui” e no “agora”.

 

Através da terapia, as memórias traumáticas e/ou conflituantes, que estão gravadas no inconsciente, são trazidas à consciência por forma a promover sua libertação e transmutação, trazendo assim benefícios a nível físico, emocional e psíquico. Em suma, através desta técnica, o terapeuta traz à superfície da consciência a causa dos desequilíbrios que afectam a vida presente do paciente. A partir da descodificação de imagens mentais e do uso de metáforas, é feito, primeiramente, o reconhecimento/consciencialização da origem/causa do problema e respectiva catarse, seguida da despolarização dos estímulos de memória associados, terminando com o ancoramento/ reconhecimento de uma nova realidade.

 

Para além da aplicação da técnica, o terapeuta esclarece e fornece novas perspectivas da questão, contextualizando holisticamente  o problema e reorientando o paciente relativamente a novas condutas, comportamentos e posturas que o levarão à consolidação da nova realidade.

Ainda sobre TVP (regressão)

As regressões podem ser muito importantes e uma grande ajuda para a transmutação de padrões em desequilíbrio, contudo, também é verdade que nesta mesma vida, regra geral esses padrões, quando não ultrapassados, repetem-se, mudando apenas o contexto e a intensidade dos mesmos. Por aqui pode-se concluir que o procurar causas em vidas passadas seria desnecessário. Grande parte das vezes isto é uma verdade, - e para esses casos há outras técnicas mais adequadas -, mas nem sempre. Há situações em que é mesmo necessária a TVP para uma compreensão e verdadeira integração das lições subjacentes, pois, embora se repitam,  é na origem ancestral e contexto hereditário que se encontra o cerne da questão. Naturalmente, este é um exercício que exige muita maturidade espiritual, no sentido do auto-perdão e do assumir da responsabilidade pelas escolhas e actos. Quando não há por parte da pessoa ainda esta compreensão, não é aconselhável fazer este tipo de terapia, se não facilmente poderá tornar-se pior o “remédio" que a “doença”. Não raras vezes, por imaturidade espiritual de terapeutas e pacientes, esta terapia é usada no sentido de encontrar "culpados", o que cria  ainda mais rancores e ódios e em nada favorece a evolução. Excluído este cenário, se bem dirigidas e com o devido enquadramento cognitivo, as regressões são para além de necessárias, muito eficazes, favorecendo o pensamento holístico que nos diz que somos muito mais do que esta personalidade que hoje nos serve.  Desta feita, deverá o terapeuta avaliar, mediante o quadro do paciente se é efectivamente necessário e adequado o método ou se constitui mais uma “fuga” às mudanças e transmutações que qualquer desconforto sempre exigem.  Assim, conclui-se que as regressões devem ser feitas com cuidado, e de forma cirúrgica, para resolver uma questão específica. Brincar a ver filmes será tendencialmente mais negativo que positivo. Esta é uma técnica perfeitamente adequada e justificável numa linha de trabalho coerente, para tratamento de problemáticas de várias ordens, contudo, é importante sublinhar que uma questão em particular nunca poderá arrastar-se por muitas sessões. De nada serve terapeuticamente, ver o mesmo padrão vezes sem conta em contextos diferentes.

 

Mónica Guimarães

 

Terapeuta

Caso tenha alguma dúvida não hesite em contactar nos através do formulário na nossa página de contactos ou através do e-mail: quanticamultidimensional@gmail.com

Consulte a nossa lista de recomendações para quem procura orientação:

Recomendações

Moradas

 Rua Dr. António José Sousa Pereira, 411 -Vila do Conde

 

R. Aristides Sousa Mendes,

Nº 225 ,1º A3 - Porto

 

 

 

Contatos

Redes Sociais

quanticamultidimensional@gmail.com

Siga-nos e mantenha-se actualizado sobre as últimas novidades

Mónica Guimarães

+351 912610370

Alexandre Valente

 +351 96 3661690

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter:

Morada

 Rua Dr. António José Sousa Pereira, 411 -Vila do Conde

R. Aristides Sousa Mendes, Nº 225 – 1º A3 - Porto

Redes Sociais

Contatos

Newsletter

quanticamultidimensional@gmail.com

Subscreva a nossa newsletter:

Mónica Guimarães

+351 912610370

Alexandre Valente

 +351 96 3661690

Quântica Multidimensional

TVP e Regressão

Quântica Health

TVP (terapia vidas- passadas) e Regressão

A TVP e Regressão são ambas terapias que visam o tratamento das causas em registos passados. Distinguem-se apenas pelo facto de nem sempre ser necessário aceder a registos de vidas-passadas, pois no contexto da vida actual é comum encontrar repetições do padrão ancestral, nomeadamente na infância,  daí se usar a denominação mais abrangente de Terapia Regressiva.

 

Partindo do princípio que o ser humano é constituído por uma consciência multidimensional, que as memórias deste estão, muitas vezes, contidas em camadas do inconsciente, constata-se que os traumas vivenciados num passado têm repercussões no presente, assim como a manutenção de crenças e conceitos obsoletos. Para aceder a essas “causas” o terapeuta apoia-se em técnicas de regressão de memória e/ou de visualização de cenários metafóricos que lhe permitem localizar o núcleo traumático e tratá-lo de forma a desactivar as suas consequências negativas no “aqui” e no “agora”.

 

Através da terapia, as memórias traumáticas e/ou conflituantes, que estão gravadas no inconsciente, são trazidas à consciência por forma a promover sua libertação e transmutação, trazendo assim benefícios a nível físico, emocional e psíquico. Em suma, através desta técnica, o terapeuta traz à superfície da consciência a causa dos desequilíbrios que afectam a vida presente do paciente. A partir da descodificação de imagens mentais e do uso de metáforas, é feito, primeiramente, o reconhecimento/consciencialização da origem/causa do problema e respectiva catarse, seguida da despolarização dos estímulos de memória associados, terminando com o ancoramento/ reconhecimento de uma nova realidade.

 

Para além da aplicação da técnica, o terapeuta esclarece e fornece novas perspectivas da questão, contextualizando holisticamente  o problema e reorientando o paciente relativamente a novas condutas, comportamentos e posturas que o levarão à consolidação da nova realidade.

Ainda sobre TVP (regressão)

As regressões podem ser muito importantes e uma grande ajuda para a transmutação de padrões em desequilíbrio, contudo, também é verdade que nesta mesma vida, regra geral esses padrões, quando não ultrapassados, repetem-se, mudando apenas o contexto e a intensidade dos mesmos. Por aqui pode-se concluir que o procurar causas em vidas passadas seria desnecessário. Grande parte das vezes isto é uma verdade, - e para esses casos há outras técnicas mais adequadas -, mas nem sempre. Há situações em que é mesmo necessária a TVP para uma compreensão e verdadeira integração das lições subjacentes, pois, embora se repitam,  é na origem ancestral e contexto hereditário que se encontra o cerne da questão. Naturalmente, este é um exercício que exige muita maturidade espiritual, no sentido do auto-perdão e do assumir da responsabilidade pelas escolhas e actos. Quando não há por parte da pessoa ainda esta compreensão, não é aconselhável fazer este tipo de terapia, se não facilmente poderá tornar-se pior o “remédio" que a “doença”. Não raras vezes, por imaturidade espiritual de terapeutas e pacientes, esta terapia é usada no sentido de encontrar "culpados", o que cria  ainda mais rancores e ódios e em nada favorece a evolução. Excluído este cenário, se bem dirigidas e com o devido enquadramento cognitivo, as regressões são para além de necessárias, muito eficazes, favorecendo o pensamento holístico que nos diz que somos muito mais do que esta personalidade que hoje nos serve.  Desta feita, deverá o terapeuta avaliar, mediante o quadro do paciente se é efectivamente necessário e adequado o método ou se constitui mais uma “fuga” às mudanças e transmutações que qualquer desconforto sempre exigem.  Assim, conclui-se que as regressões devem ser feitas com cuidado, e de forma cirúrgica, para resolver uma questão específica. Brincar a ver filmes será tendencialmente mais negativo que positivo. Esta é uma técnica perfeitamente adequada e justificável numa linha de trabalho coerente, para tratamento de problemáticas de várias ordens, contudo, é importante sublinhar que uma questão em particular nunca poderá arrastar-se por muitas sessões. De nada serve terapeuticamente, ver o mesmo padrão vezes sem conta em contextos diferentes.

 

Mónica Guimarães

 

Terapeuta

Caso tenha alguma dúvida não hesite em contactar nos através do formulário na nossa página de contactos ou através do e-mail: quanticamultidimensional@gmail.com

Consulte a nossa lista de recomendações para quem procura orientação:

Recomendações

A TVP e Regressão são ambas terapias que visam o tratamento das causas em registos passados. Distinguem-se apenas pelo facto de nem sempre ser necessário aceder a registos de vidas-passadas, pois no contexto da vida actual é comum encontrar repetições do padrão ancestral, nomeadamente na infância,  daí se usar a denominação mais abrangente de Terapia Regressiva.

 

Partindo do princípio que o ser humano é constituído por uma consciência multidimensional, que as memórias deste estão, muitas vezes, contidas em camadas do inconsciente, constata-se que os traumas vivenciados num passado têm repercussões no presente, assim como a manutenção de crenças e conceitos obsoletos. Para aceder a essas “causas” o terapeuta apoia-se em técnicas de regressão de memória e/ou de visualização de cenários metafóricos que lhe permitem localizar o núcleo traumático e tratá-lo de forma a desactivar as suas consequências negativas no “aqui” e no “agora”.

 

Através da terapia, as memórias traumáticas e/ou conflituantes, que estão gravadas no inconsciente, são trazidas à consciência por forma a promover sua libertação e transmutação, trazendo assim benefícios a nível físico, emocional e psíquico. Em suma, através desta técnica, o terapeuta traz à superfície da consciência a causa dos desequilíbrios que afectam a vida presente do paciente. A partir da descodificação de imagens mentais e do uso de metáforas, é feito, primeiramente, o reconhecimento/consciencialização da origem/causa do problema e respectiva catarse, seguida da despolarização dos estímulos de memória associados, terminando com o ancoramento/ reconhecimento de uma nova realidade.

 

Para além da aplicação da técnica, o terapeuta esclarece e fornece novas perspectivas da questão, contextualizando holisticamente  o problema e reorientando o paciente relativamente a novas condutas, comportamentos e posturas que o levarão à consolidação da nova realidade.

As regressões podem ser muito importantes e uma grande ajuda para a transmutação de padrões em desequilíbrio, contudo, também é verdade que nesta mesma vida, regra geral esses padrões, quando não ultrapassados, repetem-se, mudando apenas o contexto e a intensidade dos mesmos. Por aqui pode-se concluir que o procurar causas em vidas passadas seria desnecessário. Grande parte das vezes isto é uma verdade, - e para esses casos há outras técnicas mais adequadas -, mas nem sempre. Há situações em que é mesmo necessária a TVP para uma compreensão e verdadeira integração das lições subjacentes, pois, embora se repitam,  é na origem ancestral e contexto hereditário que se encontra o cerne da questão. Naturalmente, este é um exercício que exige muita maturidade espiritual, no sentido do auto-perdão e do assumir da responsabilidade pelas escolhas e actos. Quando não há por parte da pessoa ainda esta compreensão, não é aconselhável fazer este tipo de terapia, se não facilmente poderá tornar-se pior o “remédio" que a “doença”. Não raras vezes, por imaturidade espiritual de terapeutas e pacientes, esta terapia é usada no sentido de encontrar "culpados", o que cria  ainda mais rancores e ódios e em nada favorece a evolução. Excluído este cenário, se bem dirigidas e com o devido enquadramento cognitivo, as regressões são para além de necessárias, muito eficazes, favorecendo o pensamento holístico que nos diz que somos muito mais do que esta personalidade que hoje nos serve.  Desta feita, deverá o terapeuta avaliar, mediante o quadro do paciente se é efectivamente necessário e adequado o método ou se constitui mais uma “fuga” às mudanças e transmutações que qualquer desconforto sempre exigem.  Assim, conclui-se que as regressões devem ser feitas com cuidado, e de forma cirúrgica, para resolver uma questão específica. Brincar a ver filmes será tendencialmente mais negativo que positivo. Esta é uma técnica perfeitamente adequada e justificável numa linha de trabalho coerente, para tratamento de problemáticas de várias ordens, contudo, é importante sublinhar que uma questão em particular nunca poderá arrastar-se por muitas sessões. De nada serve terapeuticamente, ver o mesmo padrão vezes sem conta em contextos diferentes.

 

Mónica Guimarães

 

Terapeuta

Quântica Multidimensional

TVP e Regressão

Quântica Multidimensional

Quântica Health

TVP (terapia vidas- passadas) e Regressão

A TVP e Regressão são ambas terapias que visam o tratamento das causas em registos passados. Distinguem-se apenas pelo facto de nem sempre ser necessário aceder a registos de vidas-passadas, pois no contexto da vida actual é comum encontrar repetições do padrão ancestral, nomeadamente na infância,  daí se usar a denominação mais abrangente de Terapia Regressiva.

 

Partindo do princípio que o ser humano é constituído por uma consciência multidimensional, que as memórias deste estão, muitas vezes, contidas em camadas do inconsciente, constata-se que os traumas vivenciados num passado têm repercussões no presente, assim como a manutenção de crenças e conceitos obsoletos. Para aceder a essas “causas” o terapeuta apoia-se em técnicas de regressão de memória e/ou de visualização de cenários metafóricos que lhe permitem localizar o núcleo traumático e tratá-lo de forma a desactivar as suas consequências negativas no “aqui” e no “agora”.

 

Através da terapia, as memórias traumáticas e/ou conflituantes, que estão gravadas no inconsciente, são trazidas à consciência por forma a promover sua libertação e transmutação, trazendo assim benefícios a nível físico, emocional e psíquico. Em suma, através desta técnica, o terapeuta traz à superfície da consciência a causa dos desequilíbrios que afectam a vida presente do paciente. A partir da descodificação de imagens mentais e do uso de metáforas, é feito, primeiramente, o reconhecimento/consciencialização da origem/causa do problema e respectiva catarse, seguida da despolarização dos estímulos de memória associados, terminando com o ancoramento/ reconhecimento de uma nova realidade.

 

Para além da aplicação da técnica, o terapeuta esclarece e fornece novas perspectivas da questão, contextualizando holisticamente  o problema e reorientando o paciente relativamente a novas condutas, comportamentos e posturas que o levarão à consolidação da nova realidade.

Ainda sobre TVP (regressão)

As regressões podem ser muito importantes e uma grande ajuda para a transmutação de padrões em desequilíbrio, contudo, também é verdade que nesta mesma vida, regra geral esses padrões, quando não ultrapassados, repetem-se, mudando apenas o contexto e a intensidade dos mesmos. Por aqui pode-se concluir que o procurar causas em vidas passadas seria desnecessário. Grande parte das vezes isto é uma verdade, - e para esses casos há outras técnicas mais adequadas -, mas nem sempre. Há situações em que é mesmo necessária a TVP para uma compreensão e verdadeira integração das lições subjacentes, pois, embora se repitam,  é na origem ancestral e contexto hereditário que se encontra o cerne da questão. Naturalmente, este é um exercício que exige muita maturidade espiritual, no sentido do auto-perdão e do assumir da responsabilidade pelas escolhas e actos. Quando não há por parte da pessoa ainda esta compreensão, não é aconselhável fazer este tipo de terapia, se não facilmente poderá tornar-se pior o “remédio" que a “doença”. Não raras vezes, por imaturidade espiritual de terapeutas e pacientes, esta terapia é usada no sentido de encontrar "culpados", o que cria  ainda mais rancores e ódios e em nada favorece a evolução. Excluído este cenário, se bem dirigidas e com o devido enquadramento cognitivo, as regressões são para além de necessárias, muito eficazes, favorecendo o pensamento holístico que nos diz que somos muito mais do que esta personalidade que hoje nos serve.  Desta feita, deverá o terapeuta avaliar, mediante o quadro do paciente se é efectivamente necessário e adequado o método ou se constitui mais uma “fuga” às mudanças e transmutações que qualquer desconforto sempre exigem.  Assim, conclui-se que as regressões devem ser feitas com cuidado, e de forma cirúrgica, para resolver uma questão específica. Brincar a ver filmes será tendencialmente mais negativo que positivo. Esta é uma técnica perfeitamente adequada e justificável numa linha de trabalho coerente, para tratamento de problemáticas de várias ordens, contudo, é importante sublinhar que uma questão em particular nunca poderá arrastar-se por muitas sessões. De nada serve terapeuticamente, ver o mesmo padrão vezes sem conta em contextos diferentes.

 

Mónica Guimarães

 

Terapeuta

Caso tenha alguma dúvida não hesite em contactar nos através do formulário na nossa página de contactos ou através do e-mail: quanticamultidimensional@gmail.com

Consulte a nossa lista de recomendações para quem procura orientação:

Recomendações

Redes Sociais

Siga-nos e mantenha-se actualizado sobre as últimas novidades

Contatos

quanticamultidimensional@gmail.com

Mónica Guimarães

+351 912610370

Alexandre Valente

 +351 96 3661690

Morada

 Rua Dr. António José Sousa Pereira, 411 -Vila do Conde

R. Aristides Sousa Mendes,

Nº 225 – 1º A3 - Porto

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter:

Quântica Multidimensional